segunda-feira, 28 de março de 2011

quinta-feira, 24 de junho de 2010

quarta-feira, 2 de junho de 2010

sábado, 24 de abril de 2010

Os cogumelos da Rita Freire



Roubei esta foto do Facebook da Rita Freire, onde ela apresentou estes cogumelos de criação caseira. Ela diz que foram comprados aqui: http://www.cantinhodasaromaticas.pt/ .

sexta-feira, 5 de março de 2010

Restaurante O Baleeiro - Especialidade da Casa



Almoçar no “Topo”

Não podemos deixar de visitar a freguesia do Topo. A deslumbrante paisagem que rodeia a estrada regional torna a viagem, um pouco longa, num passeio muito agradável. Quando lá chegar não deixe de visita a Igreja, o Porto de pesca e a Pontinha, um lugar mágico onde a terra acaba e se cruzam os mares da costa Sul e Norte da Ilha, e com vista para o Ilhéu, tendo como guardião o Farol. Ao voltar, e chegado ao Quartel dos Bombeiros, siga pela estrado à sua direita, percorra 300 metros, e vai encontrar o Restaurante O Baleeiro. O nome da casa é uma homenagem feita pelo senhor Gilberto aos valentes pescadores que praticavam a caça à baleia. O restaurante é familiar, sendo a cozinha tipicamente regional com pratos como o Cozido à portuguesa, Polvo guisado, Bacalhau assado no forno, Carne de porco à Alentejana, Cabrito Assado, as Sopas do Espírito Santo e a Especialidade da Casa, como é chamado o prato à base de Frango e Marisco, criado e confeccionado pela Senhora Durvalina.



Especialidade da Casa

Depois de limpo, o frango é cortado em pequenos pedaços e temperado com sal, alho, colorau e massa de malagueta, reserve meia hora. Numa frigideira aqueça azeite e manteiga e salteie o frango até ficar “lourinho”. Acrescente a cebola e o pimentão cortados em pequenos pedacinhos e deixe refogar até a cebola ficar transparente. De seguida adicione a mistura de marisco, camarão, mexilhão, amêijoas, etc. Perfume com vinho branco, junte um pouco de pimenta preta, rectifique o sal e o picante, e deixe cozer o marisco. A especialidade está pronta a ser servida acompanhada de batata frita, arroz branco e salada. Para beber, um vinho branco fresco, da nossa vizinha Ilha do Pico, ou uma Cerveja “Especial” estupidamente gelada

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Polvo Assado no Restaurante Costa Norte

Hoje descemos à Fajã dos Cubres

Na Fajã do Cubres existe um pequeno Restaurante, o “Costa Norte”. As Fajãs de São Jorge transmitem a cada pessoa que as visita, sensações que vão desde uma paz interior, até à vontade de querer voltar. A Fajã dos Cubres não foge à regra e esse prazer pode ser acrescido ao estar-se sentado na esplanada do “Costa Norte”, tendo como cenário toda a encosta sobranceira à Fajã, a igreja de Nossa Senhora de Lurdes e, um pouco mais ao fundo, a Lagoa que não dispensa uma visita depois da refeição.



A forma simples como a senhora Luísa Reis confecciona os alimentos, transmite todas as suas qualidades, sabor, cor , textura e frescura aos clientes.


Os produtos, como as Lapas, que podem ser grelhadas ou em molho Afonso, as amêijoas confeccionadas à moda de São Jorge, as várias espécies de peixes para as caldeiradas, os caranguejos e búzios para a Mariscada, bem como o polvo que é “apanhado” junto à lagoa da vizinha Caldeira de Santo Cristo, são produtos locais que tem uma qualidade e sabor superior.

Polvo Assado









Deve-se ter atenção à qualidade do polvo, se for fresco deve ser sovado para ficar tenro, caso seja congelado não é necessário, pois a congelação “atenra-o” .
Depois de bem lavado o polvo de ser cortado em pedaços, não muito pequenos pois ele minga ao assar, e vai a cozer durante cinco minutos. Esta cozedura serve para que o polvo se liberte da “gelatina” que o envolve. Escorra-o e reserve. De seguida faça uma “cama”, de preferência numa assadeira de barro, com cebola cortada às meias-luas, alho laminada, tomate às rodelas e salsa cortada grosseiramente. Coloque por cima o polvo, tempere com massa de malagueta , perfume com vinho branco e leve ao forno durante duas horas e meia , prove e rectifique o tempero se necessário . O polvo pode ser acompanhado com batata cozida ou arroz branco, embora eu o prefira com batata doce. Quanto ao vinho deverá ser de boa qualidade, não interessando a cor.

Marco Azevedo

(As duas imagens da Fajã dos Cubres são de Jorge Gois
http://www.jorgegois.com)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010